Clinica Fares - Clinica médica

Contato

11 3851 4000

Veja mais informações sobre endereços, telefones, horários de atendimento e muito mais.

Ver mais

Fale Conosco

Chat Online

Você também pode falar pelo nosso Chat sem precisar fazer uma ligação.

Iniciar chat

Pré

Agendamento

Faça seu pré agendamento online das suas consultas,

Agendar consulta

19 de janeiro de 2018

Definições para icterícia

Icterícia provém do grego Ikteros, usado no tempo de Hipócrates para definir a coloração amarelada da pele e das mucosas. Representando a deposição de pigmentos biliares na pele, a icterícia é um achado clínico de grande importância médica, pois é a manifestação visível de uma doença, seja ela relacionada ao fígado ou não.

Durante a consulta

A associação do questionário médico ao exame físico e aos exames complementares possibilitam o diagnóstico da doença de base, na maioria dos casos. Alguns dados são de grande importância durante a avaliação inicial.

Por exemplo:

Qual da idade do paciente? Crianças e adolescentes têm uma incidência maior de hepatite A em relação aos idosos. Este último grupo apresenta uma chance maior de doenças tumorais, como câncer hepático e de vesícula biliar. Qual a profissão do paciente? Profissionais da área da saúde são mais susceptíveis ao contato e exposição às infecções virais, como hepatites B, C e HIV. Além disso, profissionais de outras áreas podem ter contato com produtos tóxicos associados à icterícia. Qual a procedência do paciente? Viajou recentemente? O paciente pode proceder, residir ou t

18 de janeiro de 2018

Dando continuidade aos 10 mandamentos, vamos seguir com a segunda dica para a alimentação infantil ser saudável e sem stress.

2º Não recorrer a distrações

A ansiedade pelo “prato vazio a qualquer custo” leva os pais a apelaram para várias distrações, jogos, celulares, vídeos, telas que ajudam a distrair a criança enquanto sua refeição é “empurrada” muitas vezes em quantidade e qualidade diferentes de suas necessidades. Este é o início do Mindless Eating ou seja, comer sem atenção, fortemente associado à obesidade. Quem não presta atenção ao que come, come mais, não sente sabor e odor; e prejudica a sensação de saciedade. Hoje, o Mindless Eating vem sendo combatido pela tendência “Mindfull” que prega atenção plena às nossas atitudes, incluindo ao comer, ou seja, “Mindfull eating”. É na infância que esse problema deve ser prevenido com uma atitude: desligar as telas durante as refeições.

O que fazer?

Deixe que o bebê interaja com o próprio alimento enquanto come. Podem ser usados pedaços de alimentos inteiros ou amassados para que o bebê sinta textura, odor e sabor ou use uma colher para que ele mexa na comida livremente. A bagunça com a comida é inevitá

17 de janeiro de 2018

Esta campanha é muito importante, pois traz  a tona à discussão das questões emocionais, muitas vezes, menosprezadas e só levadas em consideração em decorrência de problemas secundários. Por via da minha experiência clínica, afirmo que pessoas sofrem pelo apego a ignorância emocional, digo isso, pois minha demanda maior são pacientes que só conseguem ter notícia dos seus problemas mentais/emocionais via adoecimento corporal. Esta campanha visa a prevenção da saúde e foi criada devido aos grandes indícios de má prevenção da saúde e altas taxas de busca por tratamentos. Hoje, vemos um movimento grande pela saúde, seja pelo retorno à alimentação saudável, livre de industrializados ou pela busca de atividades físicas. Temos ainda, o grande crescimento da medicina preventiva, com isso,  essa campanha pretende anunciar a importância de ter notícia das vivências emocionais. Depressão não é falta do que fazer. Em termos populares, as pessoas são preguiçosas, destrambelhadas, esquisitas, cansativas, intensas, perigosas, mentirosas, esquecidas, desligada, indiferentes entre outros adjetivos, nós profissionais da saúde mental muitas vezes compreendemos que esses adjetivos vão além de um simples apontamento social. Esta campanha vem justamente com a intenção de fazer a população pensar sobre, se questionar, refletir até onde esses adjetivos a

Posted in psicologia by Clinicafares | Tags: ,
16 de janeiro de 2018

O que é halitose ou mau hálito?

A halitose ou mau hálito é uma situação anormal do hálito que muda para um odor desagradável. Todavia, não é uma doença, mas é um sinal de que há alteração fisiológica, indicando que alguma coisa no organismo está desequilibrado. Segundo a Associação Brasileira de Halitose (ABHA), pesquisas apontam que, pelo menos, 30% dos brasileiros (50 milhões de pessoas) têm esse problema. A ida ao médico, gastroenterologista, é importante para identificação do problema e orientação para o melhor tratamento.

Quais são suas causas?

Ainda, segundo a ABHA, há, em média, 60 causas diferentes para o problema. Estudos têm demonstrado que a halitose está relacionada a diminuição de produção de saliva. Assim situações, como longo tempo em jejum e após períodos de sono (dormir), onde ocorre diminuição da produção de saliva e aumento de mau-hálito. Apesar de 90% das suas causas se darem no ambiente bucal, a halitose é de cunho multifatorial e pode ter causas sistêmicas. Contudo, as causas podem envolver: estresse, problemas renais ou hepáticos, diabetes etc. Além de fatores da própria natureza humana, como alimentação errada, jejum longo, problemas em vias aéreas, placas bacterianas na lín

15 de janeiro de 2018

De acordo com dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) aproximadamente 450 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de alguma doença mental; uma em cada 4 pessoas irá desencadear algum episódio de doença mental ao longo de sua vida. Estima-se que em 2030, a depressão irá ser a principal causa de incapacidade e/ou morte prematura, superando doenças crônicas, como doenças cardiológicas, respiratórias, diabetes, doenças infecciosas, entre outras mais comuns. O termo Saúde Mental foi definida pela OMS, como “o estado de bem-estar no qual o indivíduo realiza as suas capacidades, pode fazer face ao stress normal da vida, trabalha de forma produtiva, frutífera e contribuir para a comunidade em que se insere”. Partindo desta definição, podemos dizer que ter saúde mental está vinculado ao bem-estar, à qualidade de vida, capacidade de amar, trabalhar, de se relacionar consigo mesmo e os outros de maneira saudável. A maneira mais eficaz e barata para garantir sua saúde mental se inicia com atitudes voltadas a promoção de saúde e prevenção de doenças.

1 12 de janeiro de 2018

Definições

Dispneia é o termo usado para sensações respiratórias desconfortáveis. A literatura médica tem diversas definições, dentre elas, considera-se a percepção subjetiva de desconforto respiratório, qualitativamente distinto e que varia em intensidade. Pessoas sadias podem apresentar dispneia ao realizar grandes esforços, porém quando este achado clínico surge em meio a um esforço físico desproporcional à queixa, obrigatoriamente se inicia a investigação da causa. Pelo fato de ser uma queixa subjetiva, o paciente pode apresentar sensação de aperto no peito, sufocamento, falta de ar, incapacidade de encher o pulmão, dentre outras formas referidas. Sendo um sintoma relativamente comum, acomete milhões de pessoas com doenças pulmonares e cardiovasculares. Pode ser, por exemplo, a manifestação inicial de um infarto, tromboembolismo pulmonar, doença pulmonar obstrutiva crônica ou doenças intersticiais pulmonares. A proporção de pacientes que procuram o médico com esta queixa aumenta com a idade, sendo o pico de incidência entre os 55 e 69 anos de idade.

Durante a consulta

Informar ao médico sinais indiretos de classificação da dispneia. Por exemplo: Grau 0 – Dispneia em esforços extremos como correr ou subir escadas íngremes. Grau 1 –

11 de janeiro de 2018

Algumas das queixas mais frequentes nos consultórios são do tipo: “meu filho não come”, “só gosta de guloseimas”, “meu filho está muito magro”, “meu filho está acima do peso, mas nem come tanto assim”. Enfim, os hábitos alimentares são tão importantes que merecem papel de destaque e dicas para família fazer da refeição um momento de prazer e de saúde:

1º mandamento

O objetivo não é o prato vazio, mas a relação com a comida!

Quando o objetivo é ver o prato vazio, ou seja, fazer a criança aceitar tudo o que está sendo oferecido, “vale tudo” para que a criança coma: distração, trocas, barganhas, ameaças etc. Mas esse caminho não respeita os sinais da criança e impede que ela desenvolva suas próprias impressões sobre o alimento. Quando a criança tem sua fome e sua saciedade respeitadas, quando tem a oportunidade de aprender a comer sozinha e de experimentar novos alimentos, quando a criança não é forçada a comer e aprende a comer quando está com fome e não comer quando está satisfeita é possível estabelecer uma relação mais prazerosa e consciente. Aceite que o prato nem sempre estará vazio, e isso é respeito, não tem nada a ver com desempenho materno ou falta de cuidado. Outro erro é confundir a curiosidade do bebê com vontade

10 de janeiro de 2018

O AVCi– Acidente Vascular Cerebral Isquêmico– é caracterizado pela falta de suprimento sanguíneo em uma parte do cérebro. Sem sangue, os neurônios presentes nessa região não tem acesso a nutrientes e oxigênio, e podem acabar morrendo. Cerca de 70.000 brasileiros, por ano, são vítimas da doença, que também é uma das principais causas de morte e incapacidade no mundo. Ele pode acontecer para qualquer um, em qualquer idade. A incidência aumenta com a idade, sendo que 2/3 ocorrem em pessoas com mais de 65 anos e acomete um pouco mais os homens do que as mulheres, sendo maior em afrodescendentes do que em brancos. Dentre os fatores de risco, existem os chamados modificáveis, relacionados principalmente ao estilo e hábitos de vida; e os não modificáveis, que englobam doenças concomitantes que podem predispor ao AVC, além de fatores genéticos. O AVC afeta a todos: sobreviventes e familiares, amigos e comunidades. Entretanto, é uma doença que pode ser prevenida. Entre os fatores de risco para o AVC, temos vários que são potencialmente modificáveis, dentre eles se destacam:

  • tabagismo
  • hipertensão
  • diabet

9 de janeiro de 2018

A rinoplastia é a cirurgia plástica indicada para correção estética do nariz, porém sem causar alterações deletérias funcionais. Ela pode, aumentar ou diminuir o nariz, projetar a ponta, afilar as asas nasais e até diminuir a giba óssea (dorso nasal). A prática da rinoplastia é bastante antiga e é descrita desde o antigo Egito. Com o passar dos anos, inúmeras técnicas foram criadas e aperfeiçoadas, sendo cada uma indicada de maneira individualizada a cada paciente.

Indicações

Por vezes, a rinoplastia é associada a outros procedimentos nasais, como a correção do septo nasal e a turbinectomia, que é a retirada de parte dos cornetos nasais, a popular “carne esponjosa”. A rinoplastia pode ser indicada, na maioria das vezes, a partir dos 18 anos, idade em que o desenvolvimento facial do paciente já está concluído.

Como é feita a rinoplastia

Existem duas técnicas usadas para a rinoplastia: a aberta (exorrinoplastia) ou fechada (endorrinoplastia). Na técnica aberta é feita uma pequena incisão na base do nariz, entre as narinas, e na parte interna de cada narina. Na técnica fechada, há incisões apenas dentro das narinas. Ambas realizadas sob anestesia geral e com período de internação entre 12 e 24 horas.

8 de janeiro de 2018

Brincos, pulseiras e anéis que chamamos bijuterias podem parecer ouro ou prata, mas na realidade são produzidos com uma mistura de metais que chamamos de “liga metálica”. O principal componente das ligas metálicas é o metal níquel, que está entre os principais causadores de alergias. Quanto mais “baratinha” a bijuteria, mais níquel entrou na sua composição e quanto maior a quantidade de níquel no brinco, pulseira, qualquer peça de metal, maior a chance de alergia. Difícil encontrar alguém que não tenha algum grau de sensibilidade a esse metal. Algumas pessoas são tão sensíveis que até o metal dos botões de calças e moedas nos bolsos, podem desencadear alergia. O ideal para quem já tentou usar bijuteria e apresentou irritação – pele vermelha, inchada, coçando – é optar por peças de aço cirúrgico ou joias de ouro e prata, que tem menor risco de provocar irritações. Alguns falam em proteger as peças com uma camada de esmalte. Isso não é recomendado, pois esmalte contém corante e tolueno, substâncias que podem irritar. Nunca tentar usar medicações caseiras, pois a pele já está sensibilizada e pode ficar ainda mais irritada. No momento da crise, a principal medida é suspender o uso de qualquer bijuteria e procurar o

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE