Síndrome de burnout: esgotamento no trabalho pode ser uma doença

Síndrome de burnout: esgotamento no trabalho pode ser uma doença

17 de novembro de 2017

Dezenas de e-mails para responder, mensagem do chefe no final de semana e cliente reclamando. Estas e outras situações da rotina de trabalho levam funcionários a terem a síndrome de burnout.

O estado de esgotamento físico e emocional é como que se toda a reserva de energia tivesse chegado ao fim, após um longo período em que a pessoa, acorda, dorme e respira trabalho.

As cobranças em excesso, acúmulo de tarefas e foco exclusivo pelo emprego fazem com que profissionais que lidam diretamente com pessoas, não administrem seu tempo, se dediquem totalmente ao trabalho e adoeçam.

Uma pesquisa da filiada nacional da International Stress Management Association (Isma) apontou que no Brasil, 30% dos profissionais sofrem com essa doença. Isso inclui, principalmente, professores, enfermeiras, policiais, recursos humanos, jornalistas, agentes penitenciários bombeiros e assistentes sociais.

A principal característica de quem apresenta a síndrome de burnout é a tensão emocional e o estresse crônico, provocado pela condição física, emocional e psicológica do empregado que carrega dezenas de mal-estares, como problemas de relacionamentos com clientes, chefes e colegas.

Alguns sinais da síndrome, que podem não ser percebidos facilmente são dores de cabeça frequentes, dores musculares, isolamento, demora em realizar tarefas, chegada atrasada e excesso de cansaço no emprego.

Vale ressaltar que o tratamento para a síndrome de burnout é realizado por um psiquiatra. Além disso, tirar férias, fazer atividades relaxantes e reorganizar os objetivos são sempre bem vindos para a retomada da qualidade de vida.

A palavra burnout tem origem inglesa e significa “burn” queima e “out” exterior. O termo foi criado por Herbert Freudenberger, americano, psicanalista, em 1974, para relatar o adoecimento que observava em si e nos colegas.

Caso você apresente alguns dos sinais da síndrome ou conhece alguém com suspeita, procure o profissional da área da psiquiatria, pois é quem melhor poderá orientar o tratamento.

Tatiana Scabello Constantino

Psiquiatra

CRM 140100

Posted in psiquiatria by Clinicafares | Tags: , , ,
Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE