Amigdalite - tipos, causas, sintomas e tratamentos

Amigdalite – tipos, causas, sintomas e tratamentos

3 de julho de 2018

Amigdalite é uma inflamação e/ou infecção das amígdalas, que são duas estruturas arredondadas que ficam na garganta, podendo ser visualizadas à abertura da boca. Constitui nossa primeira linha de defesa contra os micro-organismos.

A amigdalite é mais frequente em crianças, podendo também acometer adultos. Na criança, quando de repetição pode acarretar perda de peso, alteração do desenvolvimento, bem como efeitos indesejáveis decorrente do uso frequente de antibióticos.

Pode ser classificada:

Quanto o agente causador em:

Amigdalite viral – causada por vírus. É o tipo mais comum.

Amigdalite bacteriana – causada por bactéria. A bactéria mais comum Streptococcus pyogenes, mais conhecida como estreptococo do grupo A. Está também relacionada à febre reumática, podendo levar a problemas nas articulações e coração. A prevenção é realizada com uso de penicilina e derivados, devendo-se realizar na suspeita exames especializados bem como avaliação pelo otorrino e reumatologista

Quanto ao tempo

Aguda: Pode durar até duas semanas.

Crônica: dor de garganta crônica, mau hálito e nódulos cervicais persistentes.  Podendo haver eliminação de massas brancas mal-cheirosas chamadas Caseo, que são restos de alimentos que permanecem em orifícios das amígdalas, devendo ser retiradas.

Recorrente: 7 episódios em 1 ano, 5 episódios por ano em 2 anos consecutivos ou 3 episódios por ano em 3 anos consecutivos.

Outro tipo de doença amigdaliana muito importante é o seu aumento, ou seja, hiperplasia amigdaliana que promove roncos, apneia obstrutiva do sono, respiração oral com a boca aberta ,disfagia, voz hiper nasal. Com repercussões na vida,sobretudo em crianças e que nesse caso tem indicação cirúrgica.

 Sintomas da amigdalite

  • Dor de cabeça
  • Dor/ dificuldade para engolir
  • Febre
  • Mal estar
  • Falta de apetite
  • Rouquidão da voz
  • Dificuldade para dormir
  • Mau hálito

No exame físico observa-se:

  • Pus nas amígdalas (pontos brancos)
  • Áreas enegrecidas
  • Amígdalas inchadas e vermelhas

Prevenção

A amigdalite é contagiosa, transmitida através de gotículas de saliva presentes na tosse ou nos espirros. Sendo assim, a maneira mais adequada de evitar o contágio e preveni-lá é:

  • Tossir sempre com um lenço na boca;
  • Lavar muito as mãos, inclusive quando tiver contato com objetos públicos;
  • Não compartilhar toalhas, pratos ou talheres, por exemplo.

No caso de amigdalite é muito importante:

– Beber bastante líquido

– Repouso

– Boa alimentação

– Procurar o otorrinolaringologista, sobretudo se o tratamento inicial não for bem sucedido e no caso de amigdalites recorrentes, hiperplasia com obstrução nasal, roncos e respiração oral.

Vale lembrar que…

A amigdalite aguda pode evoluir para abscesso periamigdaliano, neste caso a dor e dificuldade para engolir são intensas e há dificuldade de abertura da boca (Trismo), neste caso deve-se procurar imediatamente o otorrinolaringologista para tratamento mais intenso que compreende drenagem podendo necessitar de internação hospitalar e medicação endovenosa.

Importante um tratamento adequado para evitar complicações e recidivas e após o uso de antibióticos sempre repor a flora intestinal com lactobacilus e bifidobactérias através de leite fermentado ou de medicação própria encontrada nas farmácias.

Dra. Janaina Candida Rodrigues

Otorrinolaringologista e Membro do Corpo Clínico da Clínica Fares

CRM 172991

Posted in otorrinolaringologia by Clinicafares | Tags: , ,
Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE