Arquivos alergia - Clinica Fares

Cuidados para evitar rinite alérgica

27 de junho de 2018

Coriza nasal, olhos que lacrimejam, obstrução nasal e espirros constantes podem ser sinais da rinite alérgica. A rinite alérgica, normalmente, é causada por uma reação imunológica do corpo quando encontra partículas do ar consideradas estranhas (alérgenos), como pólen de flores, ácaro de poeira e pelos de animais. Para ajudar na prevenção da rinite alérgica, listamos alguns cuidados importantes:

  • Evitar os alérgenos e irritantes ambientais;
  • Trocar frequentemente a roupa de cama;
  • Expor a roupa da cama à luz solar;
  • Evitar mofo e umidade, principalmente no quarto de dormir;
  • Manter o ambiente ventilado e arejado;
  • Controlar a umidade e realizar manutenção frequente no sistema de ar condicionado;
  • Evitar spray com “cheiros” ou sachês no quarto de dormir;
  • Evitar o uso de vassouras, espanadores e aspiradores de pó sem filtro HEPA;
  • Evitar travesseiros de penas;
  • Lavar os cobertores de 15/15 dias e expor ao sol uma vez por semana;
  • Utilizar panos úmidos para limpar piso e móveis;
  • Remover carpetes, tapetes e cortinas;
  • Evitar animais de pelos e penas;
  • Evitar desinfetantes e produtos de limpeza com odor forte;
  • Evitar o contato com poluentes (fumaça, escapamentos e fuligem);
  • Usar acaricidas;

Posted in otorrinolaringologia by Clinicafares | Tags: , , , ,
20 de março de 2018

O outono chegou e algumas doenças podem surgir com maior frequência; uma delas é a rinite. A rinite é uma inflamação das mucosas do nariz e seus principais sintomas são: obstrução nasal (entupimento), coriza (nariz escorrendo), dor de cabeça, espirros e coceira no nariz – que podem afetar também a garganta e olhos. A inflamação tem dois tipos mais comuns, que são elas as rinites alergias e as não alérgicas. As alérgicas estão relacionadas ao acaro de poeira, pólen de flores, pelos de animais, perfumes, produtos de limpeza, fungos, bactérias e até alguns alimentos. Boa parte dos casos de rinite alérgica estão ligados ao acaro e, muitas vezes, são encontrados no colchão em que dormimos e nos móveis estofados de nossas casas. Já as rinites não alérgicas, estão ligadas, por exemplo, à mudança brusca do tempo, fumaça de cigarro, problemas hormonais e poluição do dia a dia, seja do meio ambiente ou do local de trabalho.

Tratamento

O tratamento para rinite depende de sua origem. Mas pode ser realizado de forma sistêmica, com ingestão de medicamentos; tópicos, medicações nasais; higiene ambiental e imunoterapia (vacinas ale

Posted in otorrinolaringologia by Clinicafares | Tags: , , ,
8 de janeiro de 2018

Brincos, pulseiras e anéis que chamamos bijuterias podem parecer ouro ou prata, mas na realidade são produzidos com uma mistura de metais que chamamos de “liga metálica”. O principal componente das ligas metálicas é o metal níquel, que está entre os principais causadores de alergias. Quanto mais “baratinha” a bijuteria, mais níquel entrou na sua composição e quanto maior a quantidade de níquel no brinco, pulseira, qualquer peça de metal, maior a chance de alergia. Difícil encontrar alguém que não tenha algum grau de sensibilidade a esse metal. Algumas pessoas são tão sensíveis que até o metal dos botões de calças e moedas nos bolsos, podem desencadear alergia. O ideal para quem já tentou usar bijuteria e apresentou irritação – pele vermelha, inchada, coçando – é optar por peças de aço cirúrgico ou joias de ouro e prata, que tem menor risco de provocar irritações. Alguns falam em proteger as peças com uma camada de esmalte. Isso não é recomendado, pois esmalte contém corante e tolueno, substâncias que podem irritar. Nunca tentar usar medicações caseiras, pois a pele já está sensibilizada e pode ficar ainda mais irritada. No momento da crise, a principal medida é suspender o uso de qualquer bijuteria e procurar o

7 de dezembro de 2017

Dezembro está sendo um mês quente. Inclusive, a partir do dia 21, já é verão, uma agradável época do ano, bastante aguardada por todos. Período de férias, viagem, mas também de muita alergia. Nesta época acontece o consumo de alimentos fora de hábitos do indivíduo, há um maior contato com insetos e um calor excessivo que predispõe as dermatites alérgicas. O suor em maior quantidade facilita a absorção de produtos químicos em contato com a pele aumentando reações à bijuteria, perfumes e diversos produtos. As alergias a picada de insetos trazem grandes transtornos e podem ser evitados com vacinas. É importante neste período o uso de roupas leves, de preferência algodão e utilizar protetor solar indicado por um alergista. Na alergia alimentar uma boa orientação pelo médico especialista, levando em conta o histórico do paciente, sua pré-disposição e recomendação, para não haver surpresas que possam comprometer a viagem de férias. Na dúvida, consultar um alergista. Isabel Cristina Moreira Porto Alergista CRM 68004  

Posted in alergologia by Clinicafares | Tags: , , ,
5 de dezembro de 2017

Comer é algo natural. O ser humano precisa do alimento para sobreviver e isto pode ser bem agradável.  Saborear um bom prato é  prazeroso, no entanto, nem sempre a alimentação é tão simples quanto parece. Para cerca de 5% da população comer pode ser um verdadeiro desafio, por causa de um problema chamado “alergia alimentar”. É mais comum em crianças do que adultos, mas pode se manifestar em qualquer época da vida. Os alimentos que mais causam alergia são: leite de vaca, ovo, frutos do mar, amendoim e trigo.

Como diferenciar alergia de intolerância alimentar

Na alergia alimentar o organismo estimula o sistema imunológico de forma exagerada quando entra em contato com  determinada substância presente no alimento, produzindo, então, uma série de sintomas generalizados pelo corpo. Estes sintomas na maioria das vezes são imediatos, nas primeiras horas apos a ingestão do alimento causador. Já na intolerância alimentar, que é bem mais comum do que a alergia, o organismo tem dificuldade de digerir determinadas substâncias, causando sintomas específicos, principalmente no sistema gastrointestinal. A intolerância alimentar não costuma colocar a vida das pessoas em risco, já a alergia sim. Um ex

Posted in alergologia by Clinicafares | Tags: , , ,
15 de dezembro de 2016

Como diferenciar intolerância à lactose de alergia à proteína do leite de vaca?

A intolerância à lactose e a alergia à proteína do leite de vaca (APLV) são doenças diferentes, apesar de muito confundidas no dia a dia.

shutterstock_207795133As pessoas com intolerância à lactose não produzem quantidades suficientes de uma enzima (chamada lactase) capaz de digerir a lactose, que é o açúcar do leite.

Já a APLV (alergia à proteína do leite de vaca) é uma reação do sistema imunológico, que age de forma exagerada quando entra em contato com proteínas do leite (ex: caseína, alfalactoalbumina, betalactoglobina). Portanto, a expressão “alergia à lactose” não é adequada, pois alergia é uma reação às proteínas e a lactose não é proteína, é um tipo de açúcar.

A intolerância à lactose não é tão comum em bebês, acomete mais crianças maiores, adolescente e adultos, inclusive de forma temporária após episódios de diarréia prolongada.

Os sintomas são apenas intestinais, como diarréia, vômitos, distensão abdominal (barriga estufada) e ocorrem cerca de meia hora a duas horas após a inge

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE