Arquivos saúde - Página 3 de 8 - Clinica Fares

Bloquinhos de carnaval infantil e cuidados com os pequenos

10 de fevereiro de 2018

O carnaval está chegando e tem gente que aprende a curtir desde cedo. Mas como se organizar para aproveitar da melhor maneira possível? Em cidades de interior, ainda é comum o carnaval de clube e tem um horário diferenciado para as crianças, não sendo necessária a busca por algo mais direcionado. Em outras cidades, ou até nessas próprias, já temos os bloquinhos de carnaval voltados para crianças, que costumam ser longe da “muvuca” do “carnaval de adultos”, em ambiente mais abertos, com música infantil e muita fantasia (do pequeno ao vovô). Existe uma programação sobre esses blocos em sites de carnaval. E já sabe, saiu com criança tem que ter uma lancheirinha preparada. Leve lanches saudáveis e que você conhece a procedência, como frutas, castanhas e cenourinha. Abuse da água, sempre dando uma parada para “reabastecer”. Também tenha cuidado com a aplicação (e reaplicação) do protetor solar, lembrando que menores de seis meses não podem utilizá-los, apenas proteção de barreira com roupas compridas, porém frescas. Além do uso de ch

7 de fevereiro de 2018

Quem acompanha os blocos de rua, participa dos desfiles nas escolas ou até mesmo corre atrás do trio elétrico não deve descuidar da alimentação. Tem que lembrar que esse descuido pode gerar desgaste físico e baixar a imunidade, portanto recarregar as energias faz parte dessa festa. Não pule refeições, faça de 5-6 por dia:  

  • No café da manhã, opte por sucos naturais, iogurtes desnatados, pães integrais, leites e laticínios magros;
  • Leve com você alimentos práticos, eles podem ser consumidos no meio da folia (frutas, barras de cereais, frutas desidratadas e biscoitos integrais)
  • Se não der tempo para uma refeição mais elaborada, a opção são os lanches. Escolha lanches leves e evite frituras. Sanduíches naturais com pães integrais, salada e fonte de proteína magra, como peito de peru e frango. Observe apenas se são feitos na hora e as condições de armazenamento.
  • Cuidado com o risco de intoxicação alimentar. Evite maionese e itens que estragam rápido, como, o ovo.
  • Nunca esqueça da hidratação. Vale sorvete de frutas, água de coco e até bebidas isotônicas. Lembre-se não abuse do álcool.
  • Se consumir bebidas alcoólicas, intercalar, sempre, com água.

Após o carnaval

2 de fevereiro de 2018

O dia mundial contra o câncer está aí e será uma grande oportunidade para focarmos a atenção em nossas atitudes do dia a dia e na das pessoas que amamos.

Afinal, não é todo dia que falamos desse assunto e quebrar o tabu é o primeiro passo!

Primeiramente, pare o que você está fazendo e reflita: O que fizemos hoje para prevenir o câncer? E o que fizemos hoje para desenvolver o câncer? Parece algo simples de fazer, mas que na correria do nosso dia a dia acabamos por deixar de lado pequenas atitudes que fazem grande diferença em nosso futuro.

Dados científicos mostram cada vez mais uma forte evidência de que há associação em nossas escolhas de vida e o desenvolvimento do câncer.

Isto quer dizer, que na maioria dos casos, a doença está relacionada a não aplicar aquilo que sabemos que é o saudável: ter uma atenção especial na dieta, estar no seu peso adequado, não fumar, praticar atividade física regularmente, evitar consumo exagerado de álcool e fazer os exames preventivos indicados por seu médico.

Hoje, a ciência está cada vez mais desenvolvida e ano a ano, medicamentos novos surgem para o

23 de janeiro de 2018

As conjuntivites são inflamações na membrana que reveste a parte interna da parte branca dos olhos e das pálpebras.

A conjuntivite viral é a mais contagiosa e acontece com mais frequência no verão.

Suas principais características é a sensação de areia nos olhos e lacrimejamento, além de bastante secreção e coceira. A sensibilidade a luz também é um fator e vermelhidão na parte branca dos olhos.

A inflamação, normalmente atinge ambos os olhos, por estarem bem próximos um do outro. Dependendo da força da conjuntivite pode haver sequelas.

19 de janeiro de 2018

Definições para icterícia

Icterícia provém do grego Ikteros, usado no tempo de Hipócrates para definir a coloração amarelada da pele e das mucosas. Representando a deposição de pigmentos biliares na pele, a icterícia é um achado clínico de grande importância médica, pois é a manifestação visível de uma doença, seja ela relacionada ao fígado ou não.

Durante a consulta

A associação do questionário médico ao exame físico e aos exames complementares possibilitam o diagnóstico da doença de base, na maioria dos casos. Alguns dados são de grande importância durante a avaliação inicial.

Por exemplo:

Qual da idade do paciente? Crianças e adolescentes têm uma incidência maior de hepatite A em relação aos idosos. Este último grupo apresenta uma chance maior de doenças tumorais, como câncer hepático e de vesícula biliar. Qual a profissão do paciente? Profissionais da área da saúde são mais susceptíveis ao contato e exposição às infecções virais, como hepatites B, C e HIV. Além disso, profissionais de outras áreas podem ter contato com produtos tóxicos associados à icterícia. Qual a procedência do paciente? Viajou recentemente? O paciente pode proceder, residir ou t

18 de janeiro de 2018

Dando continuidade aos 10 mandamentos, vamos seguir com a segunda dica para a alimentação infantil ser saudável e sem stress.

2º Não recorrer a distrações

A ansiedade pelo “prato vazio a qualquer custo” leva os pais a apelaram para várias distrações, jogos, celulares, vídeos, telas que ajudam a distrair a criança enquanto sua refeição é “empurrada” muitas vezes em quantidade e qualidade diferentes de suas necessidades. Este é o início do Mindless Eating ou seja, comer sem atenção, fortemente associado à obesidade. Quem não presta atenção ao que come, come mais, não sente sabor e odor; e prejudica a sensação de saciedade. Hoje, o Mindless Eating vem sendo combatido pela tendência “Mindfull” que prega atenção plena às nossas atitudes, incluindo ao comer, ou seja, “Mindfull eating”. É na infância que esse problema deve ser prevenido com uma atitude: desligar as telas durante as refeições.

O que fazer?

Deixe que o bebê interaja com o próprio alimento enquanto come. Podem ser usados pedaços de alimentos inteiros ou amassados para que o bebê sinta textura, odor e sabor ou use uma colher para que ele mexa na comida livremente. A bagunça com a comida é inevitá

1 12 de janeiro de 2018

Definições

Dispneia é o termo usado para sensações respiratórias desconfortáveis. A literatura médica tem diversas definições, dentre elas, considera-se a percepção subjetiva de desconforto respiratório, qualitativamente distinto e que varia em intensidade. Pessoas sadias podem apresentar dispneia ao realizar grandes esforços, porém quando este achado clínico surge em meio a um esforço físico desproporcional à queixa, obrigatoriamente se inicia a investigação da causa. Pelo fato de ser uma queixa subjetiva, o paciente pode apresentar sensação de aperto no peito, sufocamento, falta de ar, incapacidade de encher o pulmão, dentre outras formas referidas. Sendo um sintoma relativamente comum, acomete milhões de pessoas com doenças pulmonares e cardiovasculares. Pode ser, por exemplo, a manifestação inicial de um infarto, tromboembolismo pulmonar, doença pulmonar obstrutiva crônica ou doenças intersticiais pulmonares. A proporção de pacientes que procuram o médico com esta queixa aumenta com a idade, sendo o pico de incidência entre os 55 e 69 anos de idade.

Durante a consulta

Informar ao médico sinais indiretos de classificação da dispneia. Por exemplo: Grau 0 – Dispneia em esforços extremos como correr ou subir escadas íngremes. Grau 1 –

11 de janeiro de 2018

Algumas das queixas mais frequentes nos consultórios são do tipo: “meu filho não come”, “só gosta de guloseimas”, “meu filho está muito magro”, “meu filho está acima do peso, mas nem come tanto assim”. Enfim, os hábitos alimentares são tão importantes que merecem papel de destaque e dicas para família fazer da refeição um momento de prazer e de saúde:

1º mandamento

O objetivo não é o prato vazio, mas a relação com a comida!

Quando o objetivo é ver o prato vazio, ou seja, fazer a criança aceitar tudo o que está sendo oferecido, “vale tudo” para que a criança coma: distração, trocas, barganhas, ameaças etc. Mas esse caminho não respeita os sinais da criança e impede que ela desenvolva suas próprias impressões sobre o alimento. Quando a criança tem sua fome e sua saciedade respeitadas, quando tem a oportunidade de aprender a comer sozinha e de experimentar novos alimentos, quando a criança não é forçada a comer e aprende a comer quando está com fome e não comer quando está satisfeita é possível estabelecer uma relação mais prazerosa e consciente. Aceite que o prato nem sempre estará vazio, e isso é respeito, não tem nada a ver com desempenho materno ou falta de cuidado. Outro erro é confundir a curiosidade do bebê com vontade

5 de janeiro de 2018

Definições

O soluço corresponde à contração muscular involuntária e intermitente dos músculos respiratórios intercostais e do diafragma resultando em uma rápida inspiração e terminando com o fechamento abrupto da glote, impedindo o influxo de ar e produzindo um som característico. Fenômeno, usualmente, benigno e transitório, os soluços acometem qualquer indivíduo, sem distinção de etnia, idade ou gênero, e não causam repercussões clínicas importantes. Em contrapartida, nos casos persistentes ou refratários, podem desencadear efeitos adversos significativos, como desnutrição, perda de peso, fadiga, desidratação, insônia e deiscência de feridas. Esse tipo de soluço também pode refletir a presença de doença de base grave.

Durante a consulta

Com base no conhecimento dos diagnósticos diferenciais, a história clínica, associada ao exame físico, poderá definir a investigação da possível causa envolvida no soluço. Alguns questionamentos devem ser feitos e as informações são de suma importância, devendo ser fornecidas ao médico.

Por exemplo:

Há quanto tempo ocorre o soluço? Em casos recorrentes com duração menor de 48 horas, é considerado transitório. O tipo persistente é definido por episódios recorrentes com mais de 48 horas e menos de 1 mês de duraç

Posted in clínica geral by Clinicafares | Tags: , ,
15 de dezembro de 2017

A alimentação é um momento muito especial do nosso dia. É muito gostoso sentar com nossa família, amigos, pessoas querias e comermos coisas gostosas, conversar e socializar. Tanto que comida está envolvida em vários eventos sociais, é mais do que simplesmente nutrir nosso corpo, carrega emoções, sentimentos e prazeres. Porém você já imaginou que se por algum motivo não pudéssemos mais comer? Tivéssemos que nos alimentar por sondas, gastrostomias ou se fossemos privados de comer ou beber aquilo que gostamos? Pois é, isso pode acontecer com mais frequência do que você imagina. Você já ouviu falar de DISFAGIA? A disfagia não é uma doença, mas sim um sintoma de que algo não está indo muito bem em relação ao corpo e afeta o padrão de deglutição (capacidade de engolir), levando a pessoa em risco de morte, em alguns casos. A disfagia pode acometer pessoas de qualquer idade, desde recém-nascidos até idosos, e as causas podem variar desde prematuridade até doenças neurológicas, como AVC, Alzheimer, Parkinson, ELA (Esclerose Lateral Amiotrófica) e alterações estruturais em região de cabeça e pescoço (como câncer de cabeça e pescoço, mutilações e/ou ferimentos por armas, entre outros). A disfagia pode gerar uma sensação de alimento parado na garganta, coceira, falta de ar ao engolir

Posted in fonoaudiologia by Clinicafares | Tags: , , , , ,
Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE