câncer-de-pele.jpg

6 de dezembro de 2019 0

O câncer de pele é o tumor mais frequente no Brasil, correspondendo a cerca de 33% de todos os cânceres. O principal fator de risco para o seu desenvolvimento é a exposição à radiação ultravioleta (sol).

O tipo mais comum de câncer de pele é o carcinoma basocelular, seguido pelo espinocelular e o melanoma.

Carcinoma basocelular (CBC)

Ele surge de um crescimento anormal e descontrolado das células basais, que são encontradas na camada mais profunda da epiderme – camada superior da pele. Geralmente, encontrado em áreas da pele mais expostas ao sol, como rosto, couro cabeludo, orelhas, costas, mas também pode aparecer em regiões não expostas .

De um modo geral, O CBC se apresenta como uma lesão elevada brilhante, translúcida que pode sangrar com facilidade e que pode ter uma crosta. O tratamento é geralmente cirúrgico, apresentando altas chances de cura.

Carcinoma espinocelular (CEC)

Ele surge de um crescimento anormal e rápido de células escamosas – maior parte das camadas superiores da pele. O CEC é 2x mais comuns em homens do que em mulheres. Ele é mais frequente em áreas expostas do corpo ao sol, porém pode surgir, por exemplo, em cicatrizes da pele, queimaduras prévias e feridas crônicas.

Na maioria das vezes, o CEC apresenta-se como uma ferida que não cicatriza, com presença de erosão ou sangramento. O tratamento sempre que possível é cirúrgico com altas taxas de cura principalmente se diagnosticado precocemente.

Melanoma

Ele é caracterizado pela multiplicação anormal e rápida de melanócitos.

É o tipo menos frequente, representando cerca de 3% dos casos de câncer de pele. Apesar disso, ele apresenta a maior probabilidade de causar metástase – disseminação do câncer para outros órgãos- por isso, tem a maior taxa de mortalidade.

Os principais fatores de risco são: exposição à radiação ultravioleta, pessoas de pele e olhos claros, histórico pessoal e familiar de câncer de pele, presença de múltiplas pintas, presença de pintas atípicas.

O melanoma parece uma pinta ou um sinal na pele que chama atenção em alguns aspectos. Uma regra geral que pode ajudar a identificar esses aspectos é o ABCDE. Lembrando que essa regra não substitui a avaliação do dermatologista!

A: assimetria
B: borda irregular
C: cor – múltiplas cores
D: diâmetro – maior que 6 mm
E: evolução – crescimento e mudança da lesão com o tempo

O melanoma pode aparecer em qualquer local do corpo principalmente em partes cobertas.

O tratamento de escolha varia de acordo com a gravidade, localização do tumor, assim como a idade e o estado geral do paciente. Sempre que possível é cirúrgico e, se diagnosticado em fase inicial, há alta taxa de cura.

Diagnóstico e Prevenção

Quanto mais precoce o diagnóstico, mais alta a chance de cura!

Um sinal, uma pinta, uma mancha ou ferida que apresente alguma alteração pode ser suspeita. Em qualquer dúvida, consulte um médico dermatologista e cuide da sua saúde.

Mas, a melhor forma de se evitar um Câncer de pele ainda é a prevenção!

E para isso, alguns cuidados são necessários:

– Evitar exposição solar intensa;
– Uso de filtro/ protetor solar diário + reaplicação a cada 3 horas;
– Uso de roupa de proteção UV e uso de chapéu / boné.

Procure seu dermatologista, realize seu exame de rotina anual das pintas e receba as orientações adequadas! Agende agora na Clínica Fares uma consulta com o dermatologista clicando aqui.

Fontes: SBD / INCA / Ministério da Saúde/ GBM

Dra. Maria Viviane Lócio Bispo

Dermatologista e Membro do Corpo Clínico da Clínica Fares
CRM: 188186