Estou com a pele amarela. Pode ser icterícia?
Icterícia-1024x1024.jpg

19 de janeiro de 2018 0

Definições para icterícia

Icterícia provém do grego Ikteros, usado no tempo de Hipócrates para definir a coloração amarelada da pele e das mucosas.

Representando a deposição de pigmentos biliares na pele, a icterícia é um achado clínico de grande importância médica, pois é a manifestação visível de uma doença, seja ela relacionada ao fígado ou não.

Durante a consulta

A associação do questionário médico ao exame físico e aos exames complementares possibilitam o diagnóstico da doença de base, na maioria dos casos. Alguns dados são de grande importância durante a avaliação inicial.

Por exemplo:

Qual da idade do paciente? Crianças e adolescentes têm uma incidência maior de hepatite A em relação aos idosos. Este último grupo apresenta uma chance maior de doenças tumorais, como câncer hepático e de vesícula biliar.

Qual a profissão do paciente? Profissionais da área da saúde são mais susceptíveis ao contato e exposição às infecções virais, como hepatites B, C e HIV. Além disso, profissionais de outras áreas podem ter contato com produtos tóxicos associados à icterícia.

Qual a procedência do paciente? Viajou recentemente? O paciente pode proceder, residir ou ter viajado para áreas endêmicas de esquistossomose, hepatites, febre amarela, leptospirose, dentre outras.

Qual a etnia? Negros apresentam maior incidência de anemia falciforme, que pode cursar com icterícia. Vale ressaltar que o Brasil é um país miscigenado e, portanto, doenças associadas exclusivamente a algumas etnias podem não seguir a mesma tendência em nosso país.

Também é importante referir que, além da anemia falciforme, existem outras doenças hematológicas que podem cursar com icterícia.

Quais os hábitos do paciente? O uso de bebida alcoólica ou drogas ilícitas (principalmente endovenosas) deve ser questionado pelo risco aumentado de hepatopatia alcoólica e infecções virais, respectivamente.

Existe algum outro antecedente de risco? Transfusões prévias, contato recente com outros ictéricos, história familiar de hepatite, anemia, antecedentes oncológicos, tatuagens, dentre outros, podem ajudar na formulação diagnóstica.

Vale ressaltar que a icterícia por si só não é transmitida, porém a causa de base da mesma pode ser passada para outras pessoas, como hepatites.

Além disso, outro paciente ictérico em um mesmo ambiente pode traduzir uma causa comum do quadro, como a leptospirose.

Há relato de uso de medicamentos? Medicamentos podem causar c sendo o principal exemplo o uso abusivo de paracetamol. Lembrar de chás e outras soluções caseiras que também podem cursar com esse tipo de lesão.

Durante o exame clínico, é de suma importância a percepção de sinais relacionados à icterícia.

Alguns exemplos:

Febre: quadros infecciosos virais, bacterianos ou até mesmo colangite, normalmente cursam com febre.

Colúria: a famosa urina de cor de coca-cola pode indicar a causa subjacente da icterícia.

Acolia fecal: fezes esbranquiçadas sugerem obstrução biliar extra-hepática.

Dor abdominal: podem sugerir a presença de cálculos biliares, hepatites, tumores, abscesso hepático ou edema hepático.

Prurido cutâneo: coceira na pele secundária à retenção de sais biliares.

Perda de peso: relacionada às neoplasias ou outras doenças hepáticas.

Ginecomastia: o aumento de volume mamário, visível em homens, pode significar problema hepático.

A investigação da icterícia inclui exames laboratoriais e de imagem.

O tratamento da icterícia depende da doença de base causando este achado clínico, podendo ser a conduta, portanto, extremamente variável.

Não ignore este sinal de alerta do seu organismo. Uma abordagem inicial e multidisciplinar precoce pode fazer total diferença.

Procure seu médico para maiores esclarecimentos!

Dr. Thiago D’Alvia

Título de especialista em Clínica Médica pela Sociedade Brasileira de Clínica Médica

Membro associado da Sociedade Brasileira de Clínica Médica

Membro associado da Associação Brasileira de Medicina de Urgência e Emergência

Membro do Corpo Clínico da Clínica Fares

CRM 151446