Suicídio de mulheres jovens cresce em São Paulo - Clinica Fares
shutterstock_20743147-1024x585-1024x1024.jpg

24 de fevereiro de 2016 0

O número de mulheres jovens que cometem suicídio na cidade de São Paulo com idade entre 15 e 34 anos, cresceu de 20%  do total desta faixa para 25% em apenas 4 anos (dados da Folha de São Paulo).

Em qualquer idade, o suicídio é muito mais frequente no sexo masculino. Além de tentarem menos, as mulheres geralmente usam métodos menos violentos e, portanto, menos letais. Mas o que leva alguém a tirar a própria vida? Antigamente o suicídio era visto com uma questão religiosa ou filosófica, condenado ou glorificado dependendo de circunstâncias e conveniências. Até que em meados do século 19, o psiquiatra francês Jean-Étienne Dominique Esquirol afirmou que a tentativa de se matar era produto de doenças psiquiátricas, como a depressão.  Fatores externos também tem contribuído para este aumento como bullying, dificuldade para lidar com decepção, cobranças, consumo de drogas entre outros.

depressaosuicidiomulheres

Preste atenção nos sinais:

  • Mudança de comportamento. Falta de vontade de fazer coisas simples como comer e tomar banho;drogassuicidio
  • Dizer frases como: “não aguento mais”, “eu queria sumir” e “eu quero morrer”;
  • Não conseguir assumir as responsabilidades diárias;
  • Adotar comportamentos de risco, como consumo de álcool e outras drogas;
  • Apresentar estado emocional alterado ou instável (agitação, irritabilidade, descontrole ou agressividade);
  • Pesquisar sobre o assunto morte e suicídio em livros ou internet;
  • Sempre procurar chances de ficar isolado, afastado e sozinho (a).

Caso avaliar risco de suicídio, converse com a pessoa, ofereça ajuda e leve este paciente ao médico psiquiatra, o mais rápido possível.