Depressão: Uma doença que atinge o mundo feminino
depressão-1024x1024.jpg

8 de março de 2018 0

Quantos de nós já ouvimos falar ou lemos algo a respeito da depressão?

É muito comum termos pessoas próximas diagnosticadas com esse quadro, mas muitas vezes nós não sabemos o que, de fato, significa.

Recorrentemente o quadro depressivo é confundido com tristeza e melancolia, pois esses sentimentos, geralmente, existem em um indivíduo com esse diagnóstico, porém essa ideia acaba banalizando os sintomas e a situação emocional do paciente.

Sentimentos, como tristeza, melancolia e até a vontade de chorar são normais na vida do ser humano.

Os momentos difíceis são importantes em nossas vidas, pois nos ajudam a aprender com as dificuldades e nos fortalecem diante das adversidades.

Mas precisamos ficar atentos se esses sintomas estão nos causando sofrimento acentuado e se duram semanas, meses e até mesmo anos sem interrupção.

Quais os sintomas mais comuns no quadro depressivo?

  • Rebaixamento do humor (tristeza)
  • Redução da energia
  • Diminuição das atividades
  • Perda de interesse e prazer
  • Diminuição das capacidades de concentração e memória
  • Oscilação de humor
  • Problemas do sono
  • Diminuição do apetite
  • Diminuição da autoestima e autoconfiança
  • Frequente ideia de culpa
  • Despertar matinal precoce
  • Perda de interesse sexual
  • Pensamentos suicidas e ideias de morte

Todos que têm algum desses sintomas podem ser considerados depressivos e o quadro deve ser tratado da mesma maneira?

É um erro achar que todos que sentem algum desses sintomas têm depressão.  O quadro depressivo varia em níveis que vão de leve a grave e o tratamento difere para cada indivíduo.

É preciso ter muito cuidado com a auto mediação, que pode ser muito mais prejudicial do que uma ajuda.

A ingestão de um medicamento inapropriado pode gerar graves problemas de saúde, agravamento da sintomatologia e, muitas vezes, levar a óbito.

Caso você perceba em si ou em alguém próximo, três ou mais sintomas desses, procure atendimento especializado, pois este é o caminho adequado para o diagnóstico correto e tratamento adequado.

“Minha vida é muito boa, nada me falta. Então, por que desenvolvi um quadro depressivo?”

A depressão é um transtorno de humor (transtorno afetivo) que atinge nossa saúde emocional alterando a percepção que temos do mundo e, também, nossas taxas hormonais, por isso é muito comum que o paciente depressivo tenha a tendência e ver sua situação de uma maneira piorada e negativa.

Este quadro pode ser desenvolvido em fases diferentes da vida e pelos mais diversos motivos.

Pode, inicialmente, ser uma predisposição genética, desencadeado por relações interpessoais mal elaboradas, reação após um evento traumático e, também, por variações hormonais.

Atualmente, existem pesquisas que afirmam que esse diagnóstico é duas vezes mais comum em mulheres do que em homens, mas esses dados estão sendo questionados com base na tendência da mulher em ser mais aberta para abordar o tema do que os homens, na maioria dos casos.

O fato é que a depressão, hoje em dia, é uma das principais causas de afastamento do trabalho e até 2020 tende a ser a segunda maior e mais significante doença do ser humano, estando atrás apenas das doenças cardíacas. Por isso é tão importante o diagnostico precoce.

Ao abordarmos a depressão, estamos falando de uma psicopatologia, ou seja, uma  doença psicológica e emocional que pode levar o indivíduo ao isolamento social, dificuldades de manter uma vida saudável e em alguns casos ao óbito por comportamentos suicidas.

Além disso, ao longo da vida, as mulheres podem desenvolver quadros depressivos específicos das suas variações hormonais, como a depressão pós-parto, que afetam diretamente uma nova vida.

Por todos esses fatores é essencial manter atenção aos nossos comportamentos e daqueles a quem amamos.

A prevenção do quadro depressivo acontece com um conjunto de fatores.

Entre alguns deles, estão:

  • Cuidado com nossa saúde emocional
  • Diálogo aberto a respeito dos nossos sentimentos
  • Valorização de uma vida saudável, cuidando do nosso sono, alimentação e corpo
  • Mantendo uma prática de exercícios físicos
  • Exames de rotina atualizados.

No caso do diagnóstico confirmado, os profissionais especializados farão a indicação adequada para cada nível do quadro depressivo, porém o tratamento mais adequado é a psicoterapia, muitas vezes, associada ao acompanhamento psiquiátrico, que auxiliará na diminuição dos sintomas, enquanto a psicoterapia buscará junto com o paciente a causa do desenvolvimento do quadro e consequentemente sua cura.

Precisamos saber que viver é uma dádiva e acreditar que a vida pode ser uma experiência prazerosa para todos nós.

Fazer psicoterapia é um ato de amor consigo, é o cuidado maior com a nossa qualidade de vida e a expressão do nosso respeito próprio.

Com a terapia nos reconhecemos nas nossas qualidades e aprendemos a lidar com o que não aceitamos, assim nos tornamos indivíduos completos prontos para lidar com o mundo!

Dra. Andréia Aparecida Bento

Psicóloga e Membro do Corpo Clínico da Clínica Fares

CRP: 06/105323