São Paulo: uma metrópole ansiosa - Clinica Fares São Paulo: uma metrópole ansiosa
ansiedade-768x438.jpg

11 de julho de 2018 0

O transtorno de ansiedade é uma das psicopatologias mais comentadas no nosso meio social.

Rotineiramente o termo é utilizado para expressar momentos de grande apreensão e expectativa, pois os seus sintomas frequente lembram um estado de alerta, porém o diagnóstico desse quadro leva em consideração uma série de sintomas específicos que acontecem simultaneamente, não necessariamente associado a um evento, e que podem ser traduzidos em transtornos distintos.

O mais abordado e diagnosticado é o Transtorno de Ansiedade Generalizada, uma vez que, a rotina que levamos em conjunto com as cobranças culturais e sociais que vivemos, muitas vezes, podem favorecer que o indivíduo desencadeie essa doença.

Trata-se de um estado psicológico, do qual, o paciente desenvolve sintomas que não são associados a um evento específico, ou seja, as crises acontecem sem nenhum motivo aparente podendo ser definido por nervosismo, tremor, tensão muscular, transpiração, tontura e alcançar níveis físicos como boca seca, dores de barriga ou estômago, vontade de urinar.

Ainda nesse grupo de quadros ansiosos, temos o Transtorno Misto Ansioso e Depressivo, que une a sintomatologia citada acima a sintomas do Quadro Depressivo, como, por exemplo, desanimo, desinteresse, angústia, choro constante, oscilação de humor entre outros.

E também o Transtorno de Pânico, quadro que apresenta crises súbitas frequentemente incapacitantes que atingem o indivíduo fisicamente causando medo agudo, palpitação, dores torácicas, asfixia e muito medo de morrer.

Existem também os Transtornos Fóbicos Ansiosos, que diferem das anteriores por ocorrerem diante de situações determinadas que desencadeiam os sintomas em virtude de um medo real, que causam palpitação, sensação de desmaio, medo de enlouquecer e morrer, entre outros. São eles:

Agorafobia: medo agudo de sair de casa ou viajar;

Fobia Social: medo da exposição ou julgamento. Causam geralmente além dos sintomas mencionados, rubor, tremor e náusea.

Claustrofobia: medo intenso do confinamento causando muita falta de ar;

Outras fobias específicas: sintomas causados por medos agudos variados.

Como pudemos ver, os quadros ansiosos se expressam com reações emocionais e, dependendo do caso, podem evoluir para queixas físicas.

Caso você note mais de três dos sintomas a seguir por mais de três meses consecutivos, procure um psicólogo para avaliação:

  • Coração acelerado
  • Dificuldade de respirar
  • Dormência ou formigamento em alguma parte do corpo
  • Tremores
  • Tensão muscular
  • Boca seca
  • Medos constantes
  • Preocupação exagerada
  • Sensação de desmaio
  • Preocupação excessiva com a morte
  • Dificuldade de concentração
  • Suor excessivo
  • Insônia
  • Qualquer outro sintoma fora do comum.

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), 33% da população mundial, 9,3% dos brasileiros sofrem com essa psicopatologia, sendo que nos paulistanos esse índice é considerado o maior de todas as grandes cidades, com 29,6%.

Dados da Faculdade de Medicina da USP revelam que 10% das crianças e adolescentes sofrerão com algum quadro ansioso.

Por isso o diagnóstico precoce é essencial para evitar o sofrimento e restabelecer a saúde emocional e física do paciente!

Dra. Andréia Aparecida Bento

Psicóloga e especialista em audição e Membro do corpo clínico da Clínica Fares

CRP: 06/105323