Aprenda como evitar a síndrome do viajante
sindrome-viajante-1024x1024.jpg

2 de janeiro de 2018 0

A falta de movimentação e o estreitamento das veias devido a longos períodos sentado em um carro, ônibus, trem ou avião, letificam o retorno de sangue para o coração.

Além disso, acontece o aumenta da pressão venosa das pernas que possibilita a formação de coágulo (trombo) que se formado nas veias profundas das pernas podem se deslocar e se fixar nas artérias pulmonares, causando um embolia pulmonar, que é uma doença tromboembólica (síndrome do viajante).

A frequência é maior em pessoas que tenham varizes ou aquelas que já apresentaram algum episódio de prévio de trombose ou obesos, pois eles te uma dificuldade maior no retorno venoso (quantidade de sangue que chega ao coração).

Fatores que aumentam os riscos de trombose são:

  • Ocorrência anterior de trombo/coágulo;

  • História familiar de trombose;

  • Distúrbio de coagulação sanguínea previamente existente;

  • Cirurgia ou ferimento recente;

  • Uso de terapia de reposição hormonal ou anticoncepcional à base de estrogênio;

  • Idade avançada;

  • Obesidade;

  • Câncer ativo ou quimioterapia em andamento;

  • Mobilidade limitada (dificuldade de movimentação);

  • Gravidez ou parto recente (até seis semanas antes da viagem).

Para prevenção da trombose durante viagens longas, devemos seguir algumas orientações:

 

  • Beber bastante líquido durante a viagem para manter o corpo hidratado e fazer uso de roupas confortáveis;

  • Em viagens de avião, levantar um pouco da poltrona e caminhar no corredor a cada duas horas para ativar a circulação das pernas. Mesmo sentado fazer movimentos com as pernas e elevar os pés por alguns instantes;

  • Usar meia elástica de compressão, elas contribuem para ativar a circulação;

  • Não fumar antes de embarcar e evitar bebidas alcoólicas;

  • Evitar sedativos para não ficar em uma mesma posição durante muito tempo;

Vale ressaltar que o mais importante, antes de realizar qualquer viagem, a principal orientação é procurar um médico, caso, você tenha se identificado com algum dos sintomas.

Cristiane Vieira

Especialista em Cirurgia Vascular e Membro do Corpo Clínico da Clínica Fares

CRM 136886